Quantidade de Páginas visitadas

DICA DE LEITURA DO MÊS:

Outubro

Literatura

O velho e o mar é um romance de Ernest Hemingway, escrito em Cuba, em 1951, e publicada em 1952. Foi a última grande obra de ficção de Hemingway a ser publicada ainda durante a sua vida, sendo uma das suas obras mais famosas. Conta a história de um velho pescador que luta com um gigante espadarte em alto mar por entre a Corrente do Golfo. Apesar de ter sido alvo de apreciações muito divergentes por parte da crítica, é uma obra que permanece uma referência entre os livros de Hemingway, tendo reafirmado a importância do autor em tempo de o qualificar para o Prêmio Nobel de Literatura de 1954.

A história tem como personagem principal um velho pescador chamado Santiago. Apesar de muito experiente, Santiago se acha em uma maré de azar, tendo ficado quase três meses sem conseguir pescar um peixe. Santiago possui um jovem amigo, chamado Manolín, que o incentiva a pescar. Na manhã do 85º dia, em sua pequena canoa, Santiago consegue um peixe, de tamanho descomunal (aproximadamente cinco metros de comprimento). O peixe oferece muita resistência, e puxa a canoa de Santiago cada vez mais para o mar alto. Santiago sofre com o sol cegante e abre feridas nas mãos, de tanto lutar com peixe. Depois de alguns dias, Santiago consegue finalmente matar o peixe e amarrá-lo a sua canoa. Porém, enquanto retornava a costa, sofre constantes ataques de tubarões. Quando finalmente consegue chegar a praia, o peixe já estava sem carne, só restava seu esqueleto, e Santiago estava sem forças. Os outros pescadores, vendo tamanho peixe, o maior que alguém já havia pescado, o respeitam e o ajudam, especialmente o jovem Manolín, que gosta muito do velho.

A essência da história é a luta constante do homem contra a natureza, disputando sua sobrevivência, com destaque para a importância não só da experiência, mas também da sorte e da perseverança.

Literatura Infanto Juvenil

Contos e fábulas

O escritor francês Charles Perrault criou bases de um novo gênero que faria história - o dos contos de fadas. Nesse mundo fantástico, fadas, elfos, ogros e outros malvados convivem com heróis e heroínas plenos de virtudes. Personagens que ao triunfar são capazes de perdoar. Seus textos mais famosos inauguraram essa literatura que faz até hoje crianças e adultos viajarem pelo reino da fantasi - Chapeuzinho Vermelho, Baraba Azul, O gato de Botas, Cinderela, O Pequeno Polegar, A Bela Adormecida e tantos outros. O escritor resolveu registrar as histórias que ouvia quando criança para contá-las aos próprios filhos. Clássicos entre os clássicos, estes contos possuem traços e símbolos que remetem aos primórdios da humanidade, quando os homens sentavam-se ao redor do fogo para contar as suas histórias, e assim expurgar seus medos e fantasmas.

Para conhece-los procure a biblioteca da escola.

Setembro

Literatura Brasileira - Crônicas

Comédias para se Ler na Escola é uma antologia de crônicas de Luís Fernando Veríssimo organizada por Ana Maria Machado, leitora de carteirinha do autor. Ela releu durante meses textos do autor, e preparou uma seleção de crônicas capaz de despertar nos estudantes o prazer e a paixão pela leitura. O resultado pode ser conferido em Comédias para se ler na escola, uma rara e feliz combinação de talentos.



Luis Fernando Veríssimo, é um dos autores brasileiros de maior sucesso da atualidade. Conta com mais de 5 milhões de livros vendidos no país, sendo que seu best-seller, "As Mentiras que os Homens Contam", já vendeu quase 350.000 exemplares. No total, desde sua primeira publicação em 1973, Veríssimo já lançou 57 livros. Grande parte de seus livros são coletâneas de suas crônicas, publicadas em diversos jornais (11 no todo) e revistas. Veríssimo ficou conhecido principalmente pelo humor sagaz e linguagem simples ao colocar no papel trivialidades do dia-a-dia. Assuntos dos mais variadossão tratados pelo autor, incluindo futebol, gastronomia, cinema, música, viagens, literatura, política e outras tantas.

Atividade realizada em sala de aula:- Momento literário.

Língua Portuguesa – Profª Maria Fátima Scremin.

* Criação de texto inspirada no livro – Comédias para se ler na escola de Luís Fernando Veríssimo com exposição de ideias sobre significados hipotéticos de palavras.

* Leitura e produção de texto com palavra denotando significado hipotético, estimuladas pela crônica -Defenestração.

* Criação privilegiando a criatividade do aluno sem auxílio de dicionário. Palavra-chave: Rubicundo.

A CIDADE RUBICUNDA

Um dia eu e minha família estávamos nos mudando para outra cidade, mas eu não estava feliz com essa mudança. E por vários motivos, deixar meus amigos, trocar de escola, mas o meu maior problema era saber que a cidade que eu iria morar era pequena, sem graça e muito rubicunda; ou como posso dizer, de aparência ruim. Esta cidade era tão rubicunda que a escola não tinha banheiros, as pessoas que lá habitavam nem se quer falavam um bom dia, eram muito sérias; nem igreja tinha, mas eu sabia que iria ter que aturar toda essa rubicundês. Eu e meus pais combinamos de tornar a cidade melhor e foi assim que nós criamos a campanha “vamos fazer da nossa cidade a melhor que existe neste mundo”. Começamos com cartazes de incentivo e arrecadar dinheiro com campanhas. A cidade era pequena mais as pessoas tinham muito dinheiro e com isso iniciamos a construção de uma igreja e a partir daí as pessoas começaram a seguir o caminho de Deus, refletiram e começaram a fazer o bem. E assim a cidade rubicunda se tornou a melhor cidade do mundo para toda a população.

Hoje descobri um mistério, que nem todas as palavras tem o significado que nós imaginamos. Sabe o que significa a palavra RUBICUNDO?

O dicionário diz: De cor rubra, corado de cor avermelhada e é um adjetivo.

Boa leitura...

Aluno: João Carlos Dutra Vidotto nº14 – 6ª sérieB – Matutino.


 

Literatura Infanto Juvenil

Contos de um reino perdido é um livro que reúne narrativas de tradição oral de um reino do qual pouco se ouve falar: Chitral, localizado numa área montanhosa no norte do Paquistão, onde se concentram alguns dos picos mais altos do mundo. A região é conhecida, principalmente, por aspectos negativos: guerras, pobreza, tragédias provocadas por fenômenos naturais.

Poucos devem conhecer o reino de Chitral. Mesmo para aqueles que já tenham ouvido falar da região, a distância geográfica impõe a essas longínquas terras a condição de “perdidas”. As narrativas recolhidas e recontadas por Erik L’Homme oferecem a oportunidade de tornar esse pedaço do mundo mais familiar. Entrar em contato com outras culturas, outras formas de pensar, de organizar o cotidiano e de viver em sociedade é também definir a própria maneira de ser e de se conhecer melhor.

Filósofos e psicólogos já trataram dessa questão: a construção da identidade se faz pelo contato travado com aquilo que é diferente, ou seja, pela alteridade ou representação do outro. Do ponto de vista social, entrar em contato com uma cultura diferente ajuda a compreender o que vem a ser “nós” e o que nos constitui culturalmente.

Na escola, é importante conhecer outras culturas para alargar horizontes, “abrir a cabeça” às inúmeras possibilidades de vida. Presos ao cotidiano, como geralmente acontece, nem sempre é possível imaginar diferentes formas de viver e ver o mundo.

O reino de Chitral apareceu com destaque na mídia porque serviços de inteligência e espionagem de diversos países (especialmente americanos) acreditam que Osama bin Laden, o homem mais procurado do mundo na atualidade, líder máximo da organização terrorista conhecida como Al-Qaeda, a quem se atribuem os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 aos Estados Unidos, possa ter ali se refugiado.

 

Atividade realizada em sala de aula:- Momento para ler e refletir

Língua Portuguesa – Professora Maria Fátima Scremin

Excerto – O Rei do Corvo

Criação de acrósticos, refletindo a interferência negativa do mal e a interferência positiva do bem na formação do indivíduo, com auxílio de dicionário e liberdade para escolher as palavras-chaves do painel sugerido.


Pensamento negativo

Odio no coração

Desprezo pelas pessoas

Estérico com tudo

Raiva de tudo.


Atitude errada

Rancor de si mesmo

Roubar o próximo

Orgulho de si mesmo

Gabar-se sempre

Agressivo com as pessoas

Negatividade em tudo

Cabeçudo em tudo o que falam para ele

Inveja de tudo

Arrogância com as pessoas.


Ajudar as pessoas

Maná da vida

Orar pelas pessoas

Responsabilidade na vida.


Bondade na vida

Optar sem dúvida, saber escolher o certo

Nojo da inveja

Dedicar-se com tudo

Amor ao próximo

Desejar alegria

Ebulir de amor pela vida.


Aluna: Vitória Marie Takemoto nº19 – 5ª série A

 


CONHEÇA A VIDA E OBRA DO ESCRITOR:













Validador

CSS válido!

Secretaria de Estado da Educação do Paraná
Av. Água Verde, 2140 - Água Verde - CEP 80240-900 Curitiba-PR - Fone: (41) 3340-1500
Desenvolvido pela Celepar - Acesso Restrito